Tuesday, 31 December 2013

Best author of 2013

Shelly Laurenston aka G. A. Aiken


16 books read in 2013

Good reads biography:

Originally from Long Island, New York, Shelly Laurenston has resigned herself to West Coast living which involves healthy food, mostly sunny days, and lots of guys not wearing shirts when they really should be. Shelly Laurenston is also The New York Times Bestselling author G.A. Aiken, creator of the Dragon Kin series. For more info on G.A.'s dangerously and arrogantly sexy dragons, check out her website at www.gaaiken.com.

Wow and I do mean Wow, there is not one single book from this author that I said: eh, it was ok. Bitchy female characters, crazy female characters, blood thirst female characters, alpha male characters, insecure male bears, adorable dragons, you guys name it, she has it! Her female characters are literally batshit insane, but that's why we love them! If you wanna have a guilty pleasure.. hell don't even feel guilty about reading the series... and I mean ALL of them!

shelly_books

Top 10 best books read in 2013

2013 sure was a great year, but after reading 140 books, it is time to decide which books made to the top list.
These are the Goodreads statistics:
books_stats13









The top 10:

Although this book made the top list, Tales of the Underlight is the best series that I have read in 2013. Bold, fresh and clever Jax Garren was a new author who promised much during the synopsis and executed well during the series. She proved paranormal characters could have depth and even using clichés like a hero with a tragic past, she managed to captivate the reader. We like the way you swing Garren, and we hope you keep that way!


What's better than a book about vampires? A book about vampires AND Tudors! Political conspiracy, vampires, druids, magic and romance, this series has it all and we love the way Rhys finally got over Rosalind to find a new strong female character. We sure want a 4th book with Elias as the main character.


An homoerotical novel with BDSM and deep characters? We approve! A strong hand uses art and many episodes of BDSM lifestyle to show that BDSM is not what you have learnt from 50 shade of Grey. We appreciate that Catt Ford demonstrated how a Dom should really be... Plus it is a gay erotic book... how awesome is that?


Tipping the velvet has the most intriguing and erotic beginning, plus it would not be fair to place a male homoerotic book while forgetting lesbians! Tipping the velvet is clever and we will never taste oysters the same way.


This book is not for soft readers. It will consume you while you read your characters driving themselves to self-destruction. Controversial, intense this book is a must read for those who like strong books with a twisted happy ending.



  Proving that erotica can be meaningful and heartbroken, Megan Hart wrote in 2007 a story that was only published in Portuguese by Harlequin. It will most definitely make the lists of best books published in 2013, specially when erotica is getting such bad reputation. Hart surprised us all with an endearing story of platonic love and commitment.


It's Bradbury... do I need to say anything else?

Rooftops of Tehran is a beautiful story of coming of age, love and struggle. But the most important thing is the sense of identity. All Middle East authors managed to maintain a sense of identity in their books that no Anglo-american author has. We feel like Seraji could have written The Kite runner, like Housseini could have written Rooftops of Tehran. That's what makes Middle East authors so unique and precious.


The book of trouble is not very famous, but it gives us the perspective of an Western woman on the Middle East. She questions the same things we do, but she can't help to find the East so fascinating. The Book of trouble represents ourselves, people from the West and our attraction and repulsion towards the Middle East and maybe that is why is not so popular, because maybe we do have some "troubles" facing those feelings.


A political and social critique, this short-story written by Nobel Award José Saramago makes us wonder how many times we would like to go on an adventure and find ourselves.

Honorable mentions:

If you have a cat and you read Pusheen you know that 100% of it it's accurate! Funny, sweet and stunning visuals.


Anna Karenina is a classic, while we may not like Madame Bovary or Sister Carrie, Karenina is a great female character and we mourn the way Tolstoy decided to end the story, even if it was the most honorable way.

A Nobel Award winning, Vargas Llosa praises the figure of women throughout this book and manages to catch all of us unaware with the final twist!


A YA novel without drama or paranormal? We like it! Anna and the French kiss is everything a YA novel should be: cute, funny, dealing with the issues of teenagers that makes us recall our own adolescence.

Sunday, 29 December 2013

Decorem este endereço

O Illusionary Pleasure mudou de lugar e de template.


[Recently bought] Death bringer

A powerful magic user is stealing people’s faces in San Francisco, and empath Ella Walsh and shifter Vadim Morosov have been called in to investigate. Still adjusting to the closeness and permanence of their new relationship, the government-paired mates are soon hot on the trail of an Otherworld cultist from Vadim’s past.

But their target turns the tables, and after he gives Ella someone else’s face, the couple will have to follow him to Otherworld to get hers back. There, in an ancient world of family ties, old grudges and monsters, where living memory stretches centuries, Ella will have to confront the dangerous truth of Vadim’s bygone life.

Because there’s a reason the Fae call him Death Bringer, and if Ella can’t unravel it, she may never see her mate—or her face—again.

Order ebook:

AMAZON
KOBO
CARINA PRESS

*drools* that cover... those abs... dayum! Oh and the story of course... right the story! So, I enjoyed Soul Sucker so much that I decided to buy the second one, Death Bringer... Oh honey you can bring whatever you want with that body, I don't mind!

Saturday, 28 December 2013

Worst books read in 2013

Untitled-1Choosing the best from the best is a difficult job, but to choose among 140 books those who drove you insane is even worse. It’s time for the worst books read in the year of 2013 in Portuguese or in English.

Shakespeare vs. Lovecraft: A Horror Comedy Mash-Up featuring Shakespeare's Characters and Lovecraft's Creatures



Shakespeare versus Lovecraft is not a classic fight, but maybe that was the entire book’s appeal. Unfortunately writing like Shakespeare is not for everyone and what could be a fantastic story got lost in something strange with a clashing of writing styles. Maybe next time it is better to put Lovecraft versus Jules Verne and see if the pouple can defeat Cthulhu in an epic fight.


Before I Leave London Today



Don’t let the title fool you, this fanfiction was published in Portuguese by a fan girl of One direction’s band. It is basically the wet dreams of many girls coming true, the entire crew of the band falls in love with the protagonist and her female friends almost instantly. Even though we encourage young people to write, don’t make us pay 14€ for your adolescent dreams. Publish them for free online and we may like you a little more.
This book is so bad it received disapproval from both of us: Adeselna and Lady Entropy!

Estrada para o Céu (Strairway to Heaven)



What is worse than an Historical novel filled with historical mistakes? Nothing! Nothing is worse than a regular person reading an Historical novel and realize that you know more than the person who wrote this book... So yes maybe I knew a little bit more due to my research for two years of Portuguese History of the 18th century, however the quick pace of the story, the exaggerated drama and of course, the happy ending coming from nowhere remind us that this is really just a bad Mexican soap opera disguised as a Historical novel.

O Mundo Proibido de Daniel V. (The Forbidden world of Daniel V.)


You think you are happy when you read 50 shades of Grey and you think: I am safe, nothing will harm me, I will never read anything worse than this! And then Mrs. Castro proves us wrong and crushes our hopes and dreams.
If you think Grey is an asshole and you want to shoot him, you may want to save some bullets for Daniel. Daniel is a scumbag, a douchbag whatever floats your boat, he is married but cheats constantly on his wife (with her approval, of course), he has sex with Verónica in their first meeting at his office and he has no respect for her. So we get that Grey is an obsessive son of a bitch, but at least he cares, in his own obsessive way, about Ana. Daniel doesn't care, he tosses Veronica, he threatens her and so on. Verónica is a hundred times worse than Anastacia, because well Ana was in her twenties and she was kissed once, so you get that she may be a little derp, but Veronica was married and she is in her thirties... Why the hell does she act like a twenty years old virgin, we will really never understand. Plus, even though she had sexual intercourse with many guys, she never orgasmed, however the first time she literally shags with Daniel, of course she had to have the “greatest orgasm in my life”... Well honey considering you never did it before, I don’t consider it safe to make that statement. Pity that the author said in an interview that her book was so much better than 50 shades of Grey when it’s in fact 100x worse... Oh sweet cruel irony!


This book is so bad it received disapproval from both of us: Adeselna and Lady Entropy!

O túmulo de Camões (Camões tomb)


You see a cover, you read the synopsis, you open the book... It has nothing to do with bloody Camões! You are disappointed but keep reading, until there’s a rape scene in the middle of nowhere that miraculously turns a lesbian character into a hetero one... And you think: what the hell does that have to do with Camões? Wish I bloody knew...

Death blow


Nice opening, confusing middle... Bad ending, very bad ending. A piece of advice to all writers, don’t make your male character an asshole at the beginning and then turn him into something sweet only because you want the female character to love him. Also don’t turn your female character weak so the male can shine with all his almighty strength. Use their strength to make something good, don’t turn one character into something else suddenly for plot convenience.

Amy Mah Vampire


Amy Mah is a riot, but she desperately needs an editor. This book reads like a first draft fresh out of NaNoWriMo: jumping between character POVs, no plot, no antagonists. It's just event after event, feeling all a bit thrown there hapzardly.


The Vampire Shrink

Average setting, idealized main character that everyone wants to fuck but thinks she's nothing special and that all females hate secretly, vampires mixed with Wiccanism, way too perfect love interest (to the point I don't like him) not enough to make me want to pick this collection again.


The Dark Heroine


While I do know this is a 16 year old who wrote it, I am not inflating the grade for it. She is talented, don't get me wrong, and she will write very well if she trains and learns to do so.
But this is still worse than Twilight, as far as Teen Vamp\Human romance goes.
The "main plot" (and the whole thing with the Dark Heroines) is crowbared in at the end and feels like an afterthought, the romance is boring and unbelievable (he kidnaps her, she hates him, then saves her from being raped and suddenly he's her TWU wuuuve".

The Existence


It started as a solid 4 stars. The characters were human! They had depth! The bitchy blond cheerleader actually had problems at home! The Jock\1st Part of the Love Triangle was actually a smart guy struggling with a handicap! The heroine was wrong in her judgements and admitted it! There were no very obvious cliques! The local rich bitch was actually best friends with the rather nerdy heroine!
It was awesomely different!
And then...then Drank\Death comes in. And everything is ruined as we're dragged into an annoying copy of Twilight. Of course the main character falls totally in love with him, even if it's contrived. And, of course, to make sure that the love interest isn't beat in awesomeness by the Jock (who's much more awesome than him) he has to be a goddamn rock star.

Friday, 27 December 2013

The Kite Runner

The Kite Runner
Khaled Hosseini
372 pages
Published by Riverhead Books
Published in April 27th 2004

Review written by Adeselna Davies

The Kite Runner is a fascinating story that conquers us in the end. The plot leaves the reader with a nostalgic taste and the story set in Hosseini’s home country becomes our story. It’s not unexpected that Middle East authors do great in Portugal. Just like the Portuguese people, they also possess a certain nostalgia, a wish that the present was somehow more like their past. Just like the Portuguese rely on their past glories, Hosseini summons the sweetness and joy of Afghanistan without the presence of the Taliban and without the nightmare that the afghan people went through. There is a harmony between The Rooftops of Tehran and The Kite Runner, even if the story takes place in different countries. The narrative style relying on the memories of a pacific childhood goes against a turbulent adolescence and then manhood filled with ghosts.

A December Bride

A December Bride
(A Year of Weddings)
Denise Hunter
Publishing House: Zondervan
112 pages
Published September 17th 2013
Review written by Adeselna Davies

ACR copy, in exchange for an honest review

A December bride is an endearing novella, perfect to be read during Christmas time. Seth is a male character that many female readers will appreciate for his dear personality. He protects her without overwhelming her and treats her right. That’s right, you can read a sweet novel where the protagonist is not an asshole and still enjoy it!

Planet Mail

Planet Mail (Mail call#1)
Kate Pearce
Published by Ellora’s Cave
First published July 5th 2006
Review written by Adeselna Davies

Planet Mail could be a great feminist sci-fi utopian book with some bold questions, however the amount of sex and low depth of the protagonist tossed this ebook to something forgettable and poorly explored.

Tuesday, 24 December 2013

Parts & Wreck: Less than the Sum of its Parts.

18593627

Parts & Wreck: A Parts Department Novel
Publishing House: Entangled: Covet
200 pages
Publication: November 25th 2013
Review written by Lady Entropy

Wade Crowson, a brutish and brooding playboy and veteran vivisectionist for the Parts Department, runs into more than he bargained for in new partner, Lucid Montgomery, a quirky beauty with a bizarre secret and a string of psychiatric diagnoses she tries hard to keep hidden. Loving Luce will stamp a demonic target on her back and thrust Wade into a frenzied whirlwind of hilarious misunderstandings and, quite possibly, a stripping gig for emptynesters. Can they withstand the savagery of an exorcism (with or without the split pea soup) and come out alive and …in love?

ARC copy, in exchange for an honest review

[Passatempo] O teu relâmpago na minha paz

Só faltam mais dois livros e termina a semana dos passatempos no Illusionary Pleasure :) Hoje apresentamos o passatempo com o livro de Luis Miguel Raposo: O teu relâmpago na minha paz. Boa sorte and may the odds be ever in your favour!

13576090

Monday, 23 December 2013

[Passatempo] Alice no país das maravilhas

Mais um dia, mais um passatempo, desta vez para os mais novos.

9789896411091

[googleapps domain="docs" dir="forms/d/1cuJFG6ey6v2KPOlXiAhGaxs0LRju2P6m6jK4MqMEihs/viewform" query="embedded=true" width="760" height="500" /]

Sunday, 22 December 2013

[Passatempo] Amor Carnal

image (1) Novo passatempo para Portugal e Ilhas :) termina a 5 de Janeiro e é para todos \o/
Se quiserem partilhar não morremos e eu e a Miss Entropy agradecemos a publicidade de borla (we <3 you).

Boa sorte a todos!

We wish you ...

holidaysPostcard

Saturday, 21 December 2013

[Passatempo] A teia de Aranha

Yeeeey habemus novo blogue :) Ou vá pelo menos novo espaço ^^ Para celebrar este espaço onde haverá reviews inglesas e portuguesas vamos oferecer MUITOS livrinhos! \o/

Estejam atentos aos passatempos que irão decorrer esta semana. Para já serão em Português, mas haverá possibilidade de mais tarde vir a haver passatempos de e-books estrangeiros.

Regras do passatempo:
- 1 participação por pessoa
- Válido para Continente e ilhas
- Termina a 5 de Janeiro

Friday, 20 December 2013

This book will make you puke rainbows, in a good way

I Am Pusheen the Cat
Claire Belton
Publishing house: Touchstone
192 pages
Published October 29th 2013
Review written by Lady Entropy


ARC copy, in exchange for an honest review

Some books are terribly clever. Some books have deep meaning, incredible research or amazing characters.

I Am Pusheen the Cat has none of that.

It's just amazingly and absolutely undiluted cute. I can see how some people would be absolutely neutral to it, or even annoyed by how many pages are wasted in simplified cartoons with typical cat jokes (Cats are possessive. Cats like to eat. Cats like to sleep). However, everyone else would be too busy going "DAAAAAAAAAAW!".

Mara

Mara (#1-6)
Brian Wood - Ming Doyle (Artist)
Publishing house:  Image Comics
Published November 12th 2013
Review written by Lady Entropy

I got this book as an ARC, and I must say...wow.

It hit all the right buttons. The book starts as an interesting, almost cyberpunkish take on a future where being a celebrity is all that matters.

The Dark Lady

The Dark Lady (Sherlock, Lupin & Io #1)
Irene Adler - Iacopo Bruno (illustrator)
Publishing house: Capstone Young Readers
240 pages
Expected publication: February 1st 2014
Review written by Lady Entropy

REVIEW of an ARC kindle given by Netgalley

This book was okay.

As an adult, I didn't like it, but I tried to read it as my younger self who loved Famous Five, Sherlock Holmes and Agatha Christie. Ultimately, it's main problem was that it ended up being slightly underwhelming. The cleverness of Sherlock Holmes and the wit of Irene are very understated and it ends up feeling more like a book that uses the three characters as a gimmick and doesn't use them enough. To truly appreciate it, you'd have had already read Sherlock Holmes (and Lupin) -- and if you did, you'd find this book unimpressive at best.

Witch Finder

Witch Finder (Witch Finder #1)
Ruth Warburton
Publishing house: Hodder Children's Books
374 pages
Expected publication: January 2nd 2014
Review by Lady Entropy

Given by NetGalley as ARC

This book was actually pretty good. The characters had personality, their conflict\loss were engaging and heartwarming, and the story was well paced, even for at book that shifted between genres as it followed the two protagonists. I usually don't like dual genre books, but the "witch hunting" and the "trapped woman" actually meshed okay.

Moonlight - Immortalis #4.5

Moonlight (Immortalis #4.5)
Katie Salidas
Publishing house:  Rising Sign Books
98 pages
Published: September 18th 2012
Review written by Lady Entropy

ARC book kindly offered by NetGalley

As a superfan of the World of Darkness games, I should have loved this novelette.

I was not impressed at all, unfortunately. The whole thing ended up feeling more like a set-up for the multiple sex-scenes, rather than a story that needed to be told. The premise was interesting, especially the theme of sacrifice for love, but it wasn't explored satisfactorily, and got solved after a quick talk to someone else. The werewolves weren't particularly interesting, nor was their background\setting, unfortunately, and I was sad to see that, once again, the concept of "pack" instead of being made by people, were just an amorphous blob of entities meant to side with whoever would make the story more dramatic.

Thursday, 19 December 2013

Livros para a maratona de Natal

You know the deal! Uma semana, muuuitas páginas e livirnhos para ler ^^ Como já não tenho reuniões, nem nada que se pareça vou focar-me em ler livrinhos esta semana que vem aí e ver se consigo diminuir a pilha digital! Que acham da lista?

304 páginas
Acabar este
256 páginas
216 páginas
298 páginas
286 páginas
Reler (326 p.)

Tuesday, 17 December 2013

A queda de Artur de J. R. R. Tolkien

IT'S HERE, IT'S HERE, o Pai Natal decidiu vir mais cedo e dar cabo das nossas carteiras ^^ Ainda por cima edição bilingue *.* Querem-me matar do coração...

A Queda de Artur
Autor: J. R. R. Tolkien
Colecção: Obras de J. R. R. Tolkien
Preço: 22.25€
Pp.: 248

Inédito em Portugal
Edição organizada por Christopher Tolkien
Versão Bilingue

A Queda de Artur, a única incursão de J. R. R. Tolkien nas lendas do rei Artur da Bretanha, pode muito bem ser vista como a sua mais delicada e hábil aventura na métrica aliterativa do inglês antigo, tendo concedido à sua interpretação inovadora das antigas narrativas uma sensação penetrante da natureza grave e determinista de tudo o que é contado: da expedição ultramarina de Artur até às distantes terras pagãs, da fuga de Guinevere de Camelot, do regresso de Artur à Bretanha e da grande batalha naval, no retrato do traidor Mordred, nas dúvidas atormentadas de Lancelot no seu castelo francês.

Infelizmente, A Queda de Artur foi um dos seus vários poemas longos inacabados. Há evidências que terá começado a escrevê-lo no início dos anos 30 do século passado e estaria num estado suficientemente avançado para que o enviasse a um amigo perspicaz, que o leu com grande entusiasmo no final de 1934, e o incentivou a concluí-lo com urgência: «Tem mesmo de o terminar!» Contudo, foi em vão. Tolkien abandonou-o, em data desconhecida, ainda que alguns indícios apontem para 1937, o ano de publicação de O Hobbit e das primeiras incursões em O Senhor dos Anéis. Anos mais tarde, numa carta de 1955, disse que «esperava terminar um longo poema sobre A Queda de Artur», mas esse dia nunca chegou.

Associadas ao texto do poema, existem, contudo, várias páginas manuscritas; uma grande quantidade de rascunhos e experiências em verso, nas quais a estranha evolução da estrutura do poema é revelada, juntamente com sinopses narrativas e notas deveras significativas, ainda que desesperantes. Nestas últimas, é possível discernir associações claras, ainda que misteriosas, do fim de Artur com O Silmarillion e a amarga conclusão do amor de Lancelot e Guinevere, que nunca chegou a ser escrito.

J. R. R. Tolkien nasceu a 3 de Janeiro de 1892 em Bloemfontein. Depois de ter servido na Primeira Guerra Mundial, Tolkien abraçou uma distinta carreira académica e foi reconhecido como um dos melhores filólogos do mundo. No entanto, é mais conhecido como o criador da Terra Média e autor das clássicas e extraordinárias obras de ficção como O Hobbit, O Senhor dos Anéis e O Silmarillion. As suas obras foram traduzidas para mais de 60 línguas e venderam milhões de exemplares em todo o mundo. Foi premiado com um CBE e um grau honorário de Doutor em Letras pela Universidade de Oxford, em 1972. Faleceu em 1973, com 81 anos.

Christopher Tolkien nasceu a 21 de Novembro de 1924 e é o terceiro filho de J. R. R. Tolkien. Nomeado por Tolkien como seu executor literário, tem-se dedicado, desde a morte do pai, em 1973, à edição dos escritos não publicados, nomeadamente O Silmarillion e as colecções intituladas Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média e The History of Middle-earth (A História da Terra Média). Ele e a esposa vivem em Baillie, França, desde 1975.

[Sneak-peek] O menino de Cabul


O menino de Cabul é uma história que nos conquista depois de ser lida e não durante. A narrativa deixa no leitor um paladar nostálgico e a história do país de Hosseini torna-se nossa. Não admira os autores do médio oriente darem-se tão bem em Portugal, tal como o nosso povo, também eles estão cheios de sentimentos de nostalgia, do passado que contrasta sempre com o presente. Tal como os portugueses que vivem nas glórias dos nossos antepassados, Hosseini invoca a doçura e alegria de viver numa Afeganistão sem talibãs e sem o pesadelo do terror que o povo afegão sofreu. Existe uma harmonia entre Os Terraços de Teerão e O menino de Cabul, ainda que estes dois sejam passados em dois locais diferentes. O estilo de narrativa todo ele evoca um passado pacífico com memórias de uma infância tranquila para dar lugar a uma adolescência turbulenta e a uma idade adulta repleta de fantasmas.


Monday, 16 December 2013

Isto É uma história de amor: as gotas de um beijo

As gotas de um beijo
Carina Rosa
Editora: Alfarroba Edições
240 páginas

As gotas de um beijo é uma narrativa que se centra nas personagens, desenrolando a história focado na acção das personagens, nas suas escolhas e dúvidas. David e Laura são as personagens principais, aquela por quem a história gravita à volta e Diana faz apenas parte de um triângulo amoroso. 

David é um homem demasiado indeciso, não se sente muita atracção por ele devido ao facto de raramente se decidir e viver muito no passado, mas quando conhece Laura o melhor lado dele sobressai. Laura, por outro lado é uma personagem de carne e osso. Leva uma vida dupla: ora no lar de sua casa ou a trabalhar na ouriversaria à frente do stand de David. Quando se conhecem a beleza de Laura é evidente, mas são as conversas que ambos têm e nas experiências que ambos trocam que nasce um amor. Amor esse muitas vezes assombrado pela confusão de sentimentos que David tem por Diana. Diana é apenas uma amiga, uma “irmã” que esteve sempre ao lado de David. Mas ambos muitas vezes confundem um ombro amigo com amor, por isso o triângulo amoroso não está tão evidente. 

Embora na opinião geral dos leitores muitos adoraram a personagem de Diana, se a analisarmos bem, ela não é nada de mais. Uma professora de Português com uma filha, divorciada que apaixona-se por David... Ela é quase um reflexo do próprio David, também ela muitas vezes torna-se indecisa nas suas decisões e vive também ela agarrada a memórias. Enquanto personagem encaixa mais no perfil de amiga e “sidekick” do que num grande amor. A Diana é uma personagem que está lá para apoiar David, não para amá-lo. Laura, por outro lado, tem uma história de vida poderosa, um presente atribulado. A personagem serve para mostrar que há sempre esperança depois do sofrimento, que mesmo quando achamos que tudo vai correr mal, o amor aparece e resolve tudo.

O tema da violência doméstica dá alguma profundidade, embora que ainda algo superficial ao romance. Sofremos a violência através dos olhos da personagem e como românticas, queremos, tal como muitas mulheres na vida real, que estas encontrem o amor verdadeiro e sigam o seu rumo, fazendo com que a violência seja algo do passado e tornando o amor em algo saudável. Afinal isto é uma história de amor e as histórias de amor têm de ter sempre a bonança depois da tempestade.

Nota:
Eu assisti à metamorfose deste livro, durante dois meses (ou foi um) relia os capítulos, comentava, corrigia frases, palavras, diálogos, posições e acho que foi a primeira vez como editora que vi o trabalho em conjunto com a autora, que foi incansável, tornar-se real. Temos mesmo aquela sensação fantástica de que um livro conseguiu atingir o cumprido e está a ser bem recebido no geral. Graças à Carina acredito de verdade que com força de vontade, consegue-se transformar um manuscrito noutro diferente mantendo a sua essência.

Desde que o seu casamento de vinte anos terminou, David é um homem solitário. É no stand de automóveis que dirige que afoga as memórias do passado e a solidão do presente. Afastado de casa e dos filhos, é obrigado a gerir sozinho as acções e as escolhas que fez ao longo da vida, nas quais Diana, uma amiga de infância que considera irmã, tem um papel fundamental. Diana é o seu porto de abrigo e o seu braço direito, mas foi mais do que isso durante o seu casamento agora destruído. A afinidade entre David e Diana, também divorciada, é quebrada pela chegada de uma mulher ruiva que revela muito pouco de si própria. Laura é atraente e misteriosa, e a atracção entre si e David é mútua e intensa. Será ela a mulher doce e simples que aparenta ser? Entre a joalharia e o stand, passa a alternar-se a languidez dos dias com a turbulência das noites e David acaba por se embrenhar num mundo perigoso de segredos, mentiras e traições. Dividido entre duas mulheres, estará David a encaminhar-se para o fundo do abismo?

Wednesday, 11 December 2013

Segredos e mentiras - O primeiro beijo


Eloisa James e Cheryl Hoyt são duas autoras de romances bem conhecidos para o público português. Ambas têm publicado bastantes obras dentro do romance e isso reflecte-se bastante nestes dois contos, que ora parecem apressados, ora retirados de um naco de um livro ou então com finais em aberto, talvez para depois continuar.O problema é que um conto (a menos que tenha regras bastante específicas, como limite de palavras, etc), não é o mesmo que um romance. Existe menos espaço, a estrutura tem de ser diferente e o que as duas autoras tentaram fazer foi contar um mini-romance apressado.

Cheryl Hoyt VS. Eloisa James


 O romance entre Jas e Linnet é bastante seco e apressado, a autora devido à falta de espaço, opta por contar como o romance deles começou, mas salta partes importantes. O conto começa bem com um mistério: onde está Linnet? Mas o que poderia ser um mistério, acaba por ser resolvido de forma fácil e rápida para dar lugar ao mistério do livro a ser publicado e dá a chance de mostrar que Linnet é linda e, embora não seja da aristocracia, podia pertencer simplesmente por ser bonita. A autora foca no início do conto a inteligência de Linnet, contudo este conto sofre do síndrome de conto de fada: começa com a protagonista inteligente, acaba com ela bonita, a tomar atitudes que não se compreendem apenas para causar conflito. Ainda assim o conto tem um pseudo-princípio, um meio e um fim. Seria uma boa história para um romance, para conto fica muito apressado e falta de peripécias.
Jas Griffin, filho do duque Summerton, apaixonou-se por Linnet Chandros, uma plebeia, e o duque decide banir o filho de casa, obrigando-o a ganhar a vida. Jas vai trabalhar para uma editora, onde lhe chega às mãos um manuscrito explosivo que conta as aventuras indecorosas de um nobre, e todos os seus casos amorosos com senhoras da alta sociedade. O que terá ele de fazer para convencer o patrão a aceitar a publicação do livro e garantir assim a sua subsistência e da mulher que ama?




Yup não há muito mais a dizer do que está na sinopse, basicamente a história é essa: Clarinda vai atender a um doente, Aiden andou a lutar numa taberna, ambos se encontram, ela leva-o para casa de Tristan, cura as feridas e beijam-se... E de um momento para o outro notamos que isto não é um conto, mas sim um início de romance. Não há conflito e embora a autora não abuse tanto do tell, o fim parece incompleto e insatisfatório. Como início de romance funciona, como conto... nem por isso.

Clarinda Dudley é uma curandeira e «feiticeira» que viajou sempre com o irmão mais velho, Phillip. Ao longo da vida de Clarinda, as suas principais tarefas foram manter o irmão longe de sarilhos, longe da prisão. Clarinda separou-se recentemente do irmão e está a viver na encantadora mansão rural escocesa do seu amigo capitão Tristan Odell. Aiden Bramwell é o irmão mais novo do conde de Roxbury. É um capitão experiente da marinha que - para horror da família - está envolvido no comércio. Dono de vários navios, usa-os para construir a sua própria fortuna de modo que, quando casar, possa fazê-lo como homem rico, sem ter de implorar por dinheiro ao irmão mais velho. Clarinda e Aiden vêm de mundos diferentes e têm personalidades muito diferentes, até que os seus caminhos se cruzam na véspera de Natal...

And the winner is...

Eloisa James

Saturday, 7 December 2013

Tidy Friday 25!

Esta semana voltamos a um tema bastante polémico e quero deixar aqui bem claro que não quero culpar os professores... Ok culpa alguns, não vou mentir! 


A verdade é que muitas vezes noto que os bloggers têm bastantes dificuldades em interpretar livros. Nada contra esta dificuldade, mas pus-me a pensar porquê? Porque é que não conseguem ir para além do óbvio? Porque é que não conseguem juntar muitas vezes várias coisas e descobrir o que esta para alem das linhas?

Friday, 6 December 2013

Cristóvão Colombo – O Viajante do Infinito

Cristóvão Colombo – O Viajante do Infinito
Patrick Girard
Título Original: Christophe Colomb – Le Voyageur de L' Infini
Tradução: Isabel Andrade
Páginas: 316
Coleção: Grandes Narrativas Nº 561
PREÇO SEM IVA: 16,51€ / PREÇO COM IVA: 17,50€
ISBN: 978-972-23-5138-6
Código de Barras: 9789722351386

UM CRISTÓVÃO COLOMBO 
DIFERENTE DA FIGURA COMO FICOU CONHECIDO

Neste romance de inspiração histórica, Patrick Girard apresenta-nos um Cristóvão Colombo bastante diferente da figura que ficou para a História como um precursor do mundo moderno, que teria começado com «descoberta» da América. A verdade é que,  ainda imbuído dos ideais da cavalaria e do espírito das cruzadas, a sua suprema ambição era descobrir Cipango, descrita por Marco Polo como uma ilha onde até as telhas eram de ouro. O sonho do navegador era apropriar-se das riquezas de Cipango para empreender uma Cruzada que libertasse Jerusalém e resgatasse o túmulo de Cristo. Esta narrativa  transporta-nos a um outro século e a lugares como a ilha de Quios, no mar Egeu, a ilha de Porto Santo, a Judiaria de Lisboa, a casa onde   Cristóvão Colombo viveu em Sevilha, e a tantos outros sítios  aonde as suas viagens o conduziram. Patrick Girard recria com talento e realismo os ambientes, os interesses políticos e os retratos de figuras históricas.

Patrick Girard é historiador, jornalista, ensaísta e romancista. Publicou diversos ensaios e romances históricos, em particular uma trilogia sobre as guerras púnicas e Ces Don Juan qui nous gouvernent, traduzidos para diversas línguas.

Eu, Malala

Eu, Malala – A minha luta pela liberdade e pelo direito à educação
Malala Yousafzai e Christina Lamb
Título Original: I am Malala
Tradução: Maria de Almeida, António Carlos Andrade e Cristina Carvalho
Páginas: 352
Coleção: Diversos Literatura Nº 65
PREÇO SEM IVA: 15,94€ / PREÇO COM IVA: 16,90€
ISBN: 978-972-23-5173-7
Código de Barras: 9789722351737

Data de Publicação: 5 Novembro 2013

LIVRO OFICIAL DE MALALA
A VOZ DE UMA ADOLESCENTE QUE DESAFIOU OS TALIBÃS
«Uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo.»

«Malala, tu és a nossa heroína, e a nossa grande paladina.
Estamos contigo, e tu nunca mais estarás só.»
Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU

No dia 9 de outubro de 2012, Malala Yousafzai, então com 15 anos, regressava a casa vinda da escola quando a carrinha onde viajava foi mandada parar e um homem armado disparou três vezes sobre a jovem. Nos últimos anos Malala – uma voz cada vez mais conhecida em todo o Paquistão por lutar pelo direito à educação de todas as crianças, especialmente das raparigas – tornou-se um alvo para os terroristas islâmicos. Esta é a história, contada na primeira pessoa, da menina que se recusou a baixar os braços e a deixar que os talibãs lhe ditassem a vida. É também a história do pai que nunca desistiu de a encorajar a seguir os seus sonhos numa sociedade que dá primazia aos homens, e de uma região dilacerada por décadas de conflitos políticos, religiosos e tribais. Um livro que nos leva numa viagem extraordinária e que nos inspira a acreditar no poder das palavras para mudar o mundo. 

Malala Yousafzai nasceu em Mingora, Paquistão, em 1997. No início de 2009 aceitou escrever um blogue para a BBC Urdu documentando a vida sob o regime talibã e a partir daí nunca mais deixou de se fazer ouvir em público em prol do direito à educação. Em 2011 recebeu o Prémio Nacional da Paz, no Paquistão. Pouco depois, tanto Malala como o seu pai, Ziauddin, ele próprio proprietário de uma escola e ativista social, começaram a receber ameaças de morte, que culminaram no atentado contra a jovem em outubro de 2012. Desde a sua recuperação, Malala tornou-se um símbolo da luta pelos direitos das crianças e das mulheres. Em 2013 foi considerada pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Em julho do mesmo ano, discursou perante as Nações Unidas, uma honra habitualmente destinada a altas figuras de Estado.
Entre os diversos prémios com que até agora foi distinguida, destacam-se o International Children's Peace Prize, o Clinton Global Citizen Award e o Prémio Sakharov para a liberdade de pensamento, atribuído pelo Parlamento Europeu, em 2013. Malala tornou-se também a pessoa mais jovem de sempre a ser nomeada para o Prémio Nobel da Paz. 

Christina Lamb é uma das mais destacadas correspondentes estrangeiras a nível mundial. Estudou em Oxford e Harvard e desde 1987 grande parte do seu trabalho tem-se centrado no Afeganistão e no Paquistão. É autora de cinco livros e recebeu inúmeros prémios, incluindo o Prix Bayeux-Calvados, o prémio europeu mais prestigiado para correspondentes de guerra. Atualmente, Christina trabalha para o Sunday Times e vive em Londres e em Portugal com o marido e o filho.