Sunday, 30 June 2013

Novas tecnologias


Enquanto termino de ler os manuscritos e os livros que sairam este mês lá fora, decidi criar uma conta no Bloglovin' para seguirem o blogue do Illusionary Pleasure e o Mad woman in the attic.

Estive 8 dias sem vir aqui ao blogue e as visualizações caíram a pique (゜´Д`゜) Come back! I love you all... mas não ainda não tenho passatempos para vocês o(´^`)o malandros só querem borlas! Pronto, eu vejo se consigo uns livrinhos para vos oferecer... pode ser que uma editora ainda esteja de bem comigo e ainda me adore (I highly doubt it, mas ok).

Meanwhile, estou a escrever umas coisas giras, no seriously, I am! E ainda estou a ver algum programa para gravar com a webcam sem ser no programa da webcam na Toshiba para ver se os vídeos ficam mais segmentados (não hoje que estou sem maquilhagem (*/ω\*) ) e preparem-se porque vou fazer uma leitura que vai superar aquela famosa do filho de Odin na Bertrand.

Saturday, 29 June 2013

How beauty loved the beast

How beauty loved the beast
Jax Garren
Editora: Carina Press
141 páginas

No meio da desgraça toda de ler coisas más, veio a Jax Garren salvar-me o dia! Não sei o que vos dizer, apenas que esta mulher tornou-se uma das minhas autoras favoritas e esta série só peca mesmo pelo worldbuild diminuto porque senão entrava no meu top de séries. A trilogia Tales of Underlight publicado pela Carina Press tem as duas personagens principais mais awesome de sempre. Quando estava a falar com a Inês Montenegro do Tales of Gondwana ela perguntou-me se eu não tinha lido já o livro, visto que já o tinha há um mês. Sinceramente, olhava para o livro no e-reader e não me sentia pronta para o começar a ler. Teria de dizer adeus às personagens fantásticas criadas por Garren e nada me preparou para isso. Como chegar ao último livro da trilogia e saber que nunca mais vamos ler algo sobre Hauk?

Jax Garren, no último livro, concentra-se mais na veia romântica/sensual do que na acção, como nos últimos dois livros. Sendo este terceiro livro a conclusão de uma história, esta só pecou por não deixar o conflito entre os Underlight e a Order totalmente resolvido. Talvez haja espaço para a concluir numa outra série, já que o romance entre Hauk e Jolie tem uma conclusão.

Sinopse:
It’s all been leading to this.
Jolie Benoit has become a skilled agent of the Underlight, relying on her savvy to complete assignments while Sergeant Wesley Haukon was out of commission. But an unexpected clue to the Order of Ananke’s diabolical scheme rattles Jolie, and she turns to Hauk for comfort.
It’s been years since Hauk took comfort from the touch of another person, though his love for Jolie is deep and powerful. Uncomfortable in his skin, scarred by a terrible fire, he is unable to give in to the pleasures that Jolie so desperately wants to grant him.
Meanwhile, the Order is lurking in the shadows—and when they strike, the blow is swift and terrible. Hauk and Jolie scramble to fight for their community, but with the future of the Underlight threatened, no one is safe. And Hauk will never be the same…
Esta série prova que é possível as personagens liderarem a história de uma forma não lamechas, mas igualmente romântica. "Wesley of the divine tongue" ou Hauk mal consegue resistir a Jolie, mas ainda é assaltado pelos seus demónios, sem falar na sua aparência horrível. No entanto, Hauk não nos parece um homem feio, talvez porque o seu interior não o é. Jax Garren faz algo que eu adoro fazer: tornar uma personagem fisicamente feia em alguém completamente adorável ao público e subverter a ideia de que as mulheres querem um homem bonito e rico. Hauk não é nem rico e muito menos bonito. Mas talvez é isso que o torna numa das personagens mais likable da fantasia urbana. Ele não é um alfa male, não é um caveman que as mulheres adoram, é um demónio que assusta pessoas. Mas um demónio que consegue amar uma mulher bonita que o vê além da pele queimada e desfigurada. 

A trilogia Underlight é feita do além das aparências. O monstro é um homem bom e a bela é uma mulher independente e com bom coração sem a tornar numa Mary Sue. Neste terceiro livro, o romance deles é focado em dois termos: comunicação e confiança. A relação deles só avança depois de haver comunicação e a confiança esteja estabelecida. Garren mostra que para um relação funcionar estes são os pilares fundamentais e não importa o quanto amamos a outra pessoa, se não conseguirmos mostrar que confiamos nela, a relação não irá longe. São estes os obstáculos que Jolie e Hauk têm de ultrapassar. Hauk tem de confiar em Jolie para ela vê-lo completamente nú, ainda que isso signifique que ela verá o quão horrível ele é e Jolie tem de confiar em Hauk os seus medos e desejos. 

Garren não precisa de uma história fantástica para fazer passar diversas mensagens bonitas, bastou desenvolver um casal durante três livros para seduzir um leitor farto das mesmas personagens e que encontra em Hauk e Jolie algo fresco. Escusado será dizer que aconselho esta trilogia a todos os leitores e até mesmo editoras. O mercado português teria certamente algo de novos nas estantes das livrarias para desenjoar de meninos bonitos e poderosos.

Friday, 28 June 2013

Tidy Friday: especial calor, God I'm melting

Tal como todos vocês... mas aposto que vocês ou estão na praia ou no escritório com ar condicionado! Don't get me wrong, eu até gosto do Verão, mas isto de nascer gaja e ter de fazer a depilação para ir para a praia e ver se os bikinis não passaram de moda é demasiado trabalho. Ah e ainda não poder ir para a praia porque como neste momento a minha barriga é um peixe balão em movimento não posso ir para a praia a parecer grávida de quatro meses -.-" Por isso fico estilo toupeira, no meu cantinho, dentro da minha casa que é um gelo a fazer coisas, tipo ler, ler, ler, procrastinar e assassinar o português de vez em quando.


Thursday, 20 June 2013

Jardim de Alfazema (Edilean #1)

Jardim de Alfazema
Jude Deveraux
Editora: Quinta Essência
354 páginas

Sinopse:
Jocelyn Minton é uma mulher dividida entre dois mundos. A mãe estudou em colégios particulares e frequentava as melhores salas de chá, mas acabou por casar com o biscateiro local.
Joce tinha apenas cinco anos quando a mãe morreu e, quando o pai volta a casar, a criança sente-se mais só do que nunca - até que conhece Edilean Harcourt, que, apesar de já não ser uma jovem, compreende Joce melhor que ninguém.
Quando Miss Edi morre, deixa à amiga todos os seus bens, incluindo uma histórica mansão do século XVIII e uma carta com pistas para a jovem decifrar um mistério que remonta a 1941. Na carta, Miss Edi também revela que encontrou o homem perfeito para Joce, um jovem advogado. Joce fica chocada ao saber que a mansão e o futuro amor da sua vida se encontram em Edilean, de que nunca antes ouvira falar. Curiosa perante esta reviravolta do destino, Joce muda-se para a pequena cidade, decidida a dar um novo rumo à sua vida.
Em Edilean, todos conhecem a história da jovem e já delinearam o seu futuro, incluindo o homem com quem se deverá casar. Acontece, porém, que Joce tem as suas próprias ideias acerca do homem que terá de conquistar o seu coração e o que fazer aos segredos que ninguém quer ver divulgados. Mas, quando estes se revelam parte da sua própria história, o certo é que a vida parece ganhar uma nova cor...
Em Jardim de Alfazema, Jude Deveraux retrata as paixões, as intrigas e os segredos de uma pequena cidade e dá início a uma extraordinária série centrada em Edilean.

Jardim de Alfazema foi um livro que peguei para uma rubrica e demorei nem uma tarde a ler. Depois da minha experiência no IPO onde li um livro inteiro, descobri que as salas de espera dos hospitais são o melhor sítio para ler.

O livro tem uma história que cativa o leitor e é um excelente modelo para aqueles autores que querem esconder factos das personagens e manter o mistério de forma eficiente. O mistério consegue manter a narrativa bem oleada, enquanto a narrativa principal se foca mais na parte romântica e no triângulo amoroso.  Joycelyn é uma mulher bastante reservada e sonhadora. Embora solteira e com bastantes pedidos de namoro, Joyce sabe que a sua alma gémea anda por aí e quem melhor que Miss Eddie para lhe indicar o homem perfeito para si.

Monday, 17 June 2013

Em honra de Camões

O túmulo de Camões
António Trabulo
Editora: Fronteira do Caos
183 páginas

Sinopse:
Este romance cruza Os Lusíadas com a Peregrinação.
Os marinheiros portugueses instalaram-se em reinos distantes. Depois de passarem além da Tapobrana, saquearam e mataram. Afonso de Albuquerque foi um génio da guerra no mar. Com uma centena de navios e, quanto muito, dois milhares de homens sob as suas ordens, fechou as portas do Índico para o Pacífico, o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico. Todos os impérios foram do mal e os conquistadores foram sempre odiados.
Luís de Camões ilustrou uma das faces da epopeia. Glorificou a Expansão portuguesa, que está na origem do colonialismo. Cantou os feitos heroicos, a honra e a coragem. Ao embarcar para o Oriente, levava na bagagem o conhecimento da literatura greco-romana. Valorizou-se, no contacto com povos diferentes e atingiu um sentimento de pertença universal. Se tivesse permanecido em Lisboa, não teria podido aliar ao seu talento a vivência que humanizou Os Lusíadas.
Fernão Mendes Pinto terá ido mais além. Pôs a descoberto o lado escuro da navegação e da conquista. Retratou os seus compatriotas tal como eram, com as qualidades e os defeitos ampliados pela exaltação da época.
As duas obras completam-se e permitem uma visão mais lúcida do Império Português do Oriente e, talvez, de nós próprios.

Estão a ver esta sinopse toda bonita e linda? Pois esqueçam, não tem nada a ver com o livro! *sad face* A verdade é que este romance é uma mistura muito atabalhoada de ficção e não-ficção, onde a informação sobre Camões e Fernão Mendes Pinto aparece nos diálogos das personagens como se uma professora de História só falasse sobre Camões com a sua melhor amiga. Combinar os dois estilos é muito complicado, mas não sendo este o primeiro romance de Trabulo não entendo como é que o resultado final foi confuso e insatisfatório.

O romance tinha pernas para andar, aliás o ponto de partida é engraçado: quem é que está no túmulo de Camões? Será ele ou outra pessoa? Mistério, certo? Todos gostamos de mistério! Mas esta questão só surge a meio do livro depois de levarmos com imensa informação sobre as personagens principais e sobre Camões. Até o tema do lesbianismo é tratado de forma banal e dá a entender que Serafina é completamente obcecada pela sua melhor amiga, mas casa-se com outra mulher no fim, sem que nada o fizesse prever.  A cena da violação foi completamente descabida e caída do céu, falhando dar profundidade à personagem. Basicamente, o livro deveria ter muitas mais páginas e um revisor/editor que tenha dito “Explorar esta parte”, “Porquê esta cena? O que levou esta personagem a tomar esta decisão?” Este tipo de perguntas são importantes principalmente quando o autor está tão concentrado na pesquisa histórica que deixa de parte pequenos detalhes que fazem uma grande diferença.

O autor colocou uma bibliografia no fim referente à sua pesquisa histórica que considero bastante boa. Aliás não foi a parte da não-ficção que falhou, mas sim a parte da ficção. Queremos, enquanto leitores, saber mais destas personagens que não de uma forma tão “directa” e escarrapachada.

PS: Antes que alguém diga alguma coisa, recebi este livro para recensão por parte da Fronteira do Caos e não acho que haja pior forma de celebrar uma parceria com uma recensão que critica de forma negativa o livro. Não quero, com isto, que a editora e o autor ache que é uma crítica destrutiva. Nada disso. O casamento entre ficção e não-ficção é bastante complicado e julgo que o autor pode, no futuro, vir a melhorar estas duas vertentes numa só. Dá trabalho, sim, mas foi um livro que no seu conjunto não funcionou: o que é uma pena.

Saturday, 15 June 2013

80 dias - a cor do desejo

80 Dias - A Cor do Desejo
Vina Jackson
Páginas: 264
Editora: 5 Sentidos (Porto Editora)

Sinopse:
Summer Zahova é uma violinista ardente e impetuosa, que vive uma relação frustrante com um homem que não a compreende. É na música que encontra a sua libertação. Ela passa as tardes nas estações de metro de Londres a tocar violino, perdida nas partituras de Vivaldi e Mendelsshon. Um dia o seu violino sofre um acidente irreparável e Summer recebe uma proposta inesperada de Dominik, professor universitário, um homem atormentado por desejos inconfessáveis que ficou fascinado por Summer quando a ouviu tocar. Dominik oferecer-lhe-á um novo violino na condição de ela tocar para ele em privado.
Incapazes de reprimir a forte atração que sentem, Dominik e Summer embarcam numa aventura intensa e ousada. Para Summer é a oportunidade de se confrontar com o seu lado mais sombrio, no entanto, cedo se apercebe de que o prazer tem um preço elevado. Mas poderá uma relação nascida de uma tal paixão sobreviver?

O livro não é complexo, está longe disto. Lê-se bem começando com um tom bastante leve e aproximando as personagens lentamente de um tom mais negro. Há algumas imagens poderosas como Summer a tocar numa cripta para Dominik e quando acontece o acidente na estação. São duas imagens bastante poderosas.
As personagens são um pouco ambíguas. Summer gosta de experimentar e nota-se que depois de toda a rigidez daquele namoro com Darren, ela está ansiosa para alargar os horizontes e o que mais me agradou na personagem foi o tom cinzento na relação de Summer e Dominik que não se pode bem chamar relação. Summer não é só uma sub e isso entende-se durante a narrativa. Ela vai a bares de BDSM, experimenta e isso acaba por lhe custar algo na sua vida. Nota-se que ela também entende as regras e que é a sub que tem o poder final de dizer não, já chega, não quero. Isso é a lição mais importante. 

Thursday, 13 June 2013

Tidy Friday (especialmente numa Quinta... because we don't care)

Hoje é Quinta-feira, mas como eu gosto de vos dar surpresas, decidi fazer uma Tidy na quinta, because fuck you that's why! Also amanhã vou estar ausente e para que haja Tidy fazemos um pouco mais cedo. Esta semana tenho andado exilada por terras do Norte, num refúgio espiritual e a ler pouco quase nada já que tenho passado mais tempo a meditar. Esta semana li um livro e ando a ler outro e tenho de ler outro... ai... ai vou voltar para o meu retiro que isto é só notícias tristes... Mais triste é o facto de esta semana o meu retiro espiritual ter sido passado à frente da televisão a ver os trocadilhos da Teresa Guilherme que me mexem com o cérebro e as telenovelas onde há mulheres paranóias e pais solteiros... preciso dos meus livrinhos! Livrinhos!

Tuesday, 11 June 2013

No pós-25 de Abril

Revolução Paraíso
Paulo M. Morais
Páginas: 360
Editor: Porto Editora

Sinopse:
Alternando realidade e ficção, um romance que nos transporta aos agitados dias da pós-revolução: o retrato de um país que, entre o PREC e as eleições livres, procura um novo rumo.

Ler este dia após o 10 de Junho deu um ênfase especial ao livro e ao seu valor. O 25 de Abril é aquela data que nenhum português esquece, é aquela data que fica sempre na memória dos portugueses para que nunca se volte a repetir. O “paraíso” no título é uma esperança para um Portugal futuro, já que o livro retrata o caos e que o país mergulhou após a revolta. As pós-revoluções são sempre caóticas quase anarquistas e “Revolução paraíso” consegue bastante bem mostrar essa confusão especialmente política.

Tendo formação em jornalismo, Paulo M. Morais auxiliou-se no suporte jornalístico para conseguir produzir uma narrativa fictícia com factos e discursos que aconteceram. Esta mistura pode-se tornar cansativa para um leitor que ora é-lhe oferecido nacos de história sobre as personagens, ora tem páginas e páginas de detalhes sobre a vida em 1975. O mais curioso sobre esta obra é o facto de que as duas coisas juntas não tornam o livro excepcional, contudo um leitor pode encontrar duas coisas: personagens e algo menos secante e informação. A não-ficção domina quase o romance todo, nota-se que o autor teve uma pesquisa excelente e incansável sobre o assunto e consegue transportar para o leitor as mesmas sensações de confusão de um povo que não estava habituado a votar, tal como a própria ignorância deste quanto por exemplo às siglas dos partidos que foram a votos em 1975.

Por outro lado, conta-se que houve um certo desencantamento pelas personagens ao tentar dar um simbolismo demasiado óbvio com os nomes (Pandora, Adão e Eva, Viriato) e cujos sentimentos das personagens muitas vezes eram apenas mencionados, sem dar ao leitor a oportunidade para sentir. Contudo a história de Amália, o seu destino e o seu futuro foi o momento que conferiu mais dramatismo e emoção ao livro. Existem outras personagens que retratam de forma exímia a moral do salazarismo, nomeadamente o beatismo e o moralismo de Deodete e Olímpio. Essas duas personagens estão presentes para que não se acredite que no 25 de Abril todos estavam do lado dos capitães de Abril. O destino delas acaba por representar o destino da ditadura em Portugal.

“Revolução Paraíso” é um excelente livro para quem quer saber mais sobre o que aconteceu depois daquele ano de 1974 e o autor pode vir a agradar dois tipos de leitores, contudo ao passo que na não-ficção consegue informar o leitor, na parte da ficção ainda tem arestas a limar, nomeadamente na exposição das personagens. Só a leitura de um próximo romance do autor é que poderá verificar se essas arestas ficaram limadas, que é o que, certamente, farei. Depois de ter estudado o nazismo alemão, julgo que a atitude portuguesa de “always remember, never forget” é a atitude certa. Enquanto os alemães sentem vergonha do que os seus políticos fizeram, Portugal receia constantemente que os seus governantes se tornem Salazares ou Marcelo Cateanos. Livros como este tornam possível que nunca se esqueça o que Portugal passou e ficará para sempre registado de como mais de que uma vez o povo resgatou a sua independência e a democracia triunfou.

Sunday, 9 June 2013

May the force be... ah esperem FILME ERRADO! Live long and prosper

Yes, yes you are *.*

So, Quinta-Feira foi dia de cinema e estreia do filme "Star Trek 2: into darkness" e confesso que fui ver o filme só por causa do Benedict *repete muito baixinho and in a non-creepy way: Benedict, Benedict, Benedict*. 
O filme a nível de história é bastante previsível, contudo são os actores que aumentam a fasquia de qualidade. Para uma fã do papel de Benedict Cumberbatch, o papel do vilão embora desempenhado na perfeição peca por ter pouco tempo de antena. No entanto se tivesse maior relevância a história seria sobre John Harrison e não sobre Capitão Kirk e o Mr. Spock. J. J. Abrams soube aproveitar a colheita boa de actores: Zachary Quinto é mesmo a surpresa do filme. Para quem não viu o primeiro filme, Quinto desempenha na perfeição o papel de novo Mr. Spock, dando uma dimensão mais humana, mas mantendo a calma. Chris Pine, por outro lado, é o típico herói que faz tudo para salvar a sua tripulação e ajuda os seus amigos. O resto das personagens são caracterizadas pelas suas pronúncias. Quinto e Cumberbatch são os dois pilares do filme. 


A história, não sendo nada de novo, apresenta bastantes momentos de acção, sem qualquer tempo morto. Os locais variam desde Londres até Kronos, explorando o interior das naves e o Espaço. A utilização do GCI confere beleza ao filme, nos cenários alterados de Londres e nos novos planetas.

Embora para uma fã de Fringe, esperava-se talvez mais de um filme, Star Trek 2: into Darkness convence, mas deixa um gosto na boca para mais. Queremos ver mais de Khan, mais do Mr. Spock e mais aventuras desta equipa que nos ensina sobre a aventura, a coragem e a amizade, tal como a vingança e a maldade presente nos olhos de Cumberbatch.


Friday, 7 June 2013

Tidy Friday (especial ressaca)


Não, meus filhos, não andei a beber, nem nas parties, nem a fazer amor com o meu amigo absinto. Estou de ressaca de livros! Ando a ler a passo de caracol e acabo por passar mais tempo a escrever e a rever do que propriamente a ler. Por isso esta Tidy será sobre vanities, livros que estou a ler E amor e carinho. But first things first: to the books!

Saturday, 1 June 2013

Porque é dia da crinçada e toca a meter-lhes livros pela garganta abaixo <( ̄︶ ̄)>


FELIZ DIA DA CRIANÇA ✿♥‿♥✿

Não gosto muito de livros infantis portugueses, primeiro porque acho que são sempre demasiado infantis e alguns demasiado óbvios, no entanto existem outros que adoro e faço deles uma referência tanto para crianças como adultos. Afinal há sempre uma criança dentro de nós que nunca cresceu!

Rosa, minha irmã Rosa 
ALICE VIEIRA

Mariana, filha única, tem dez anos quando Rosa nasce. Agora vai partilhar tudo com a irmã: o quarto, o tempo dos pais, o afecto da família - incluindo a Avó Elisa que desconfia do progresso, e a Tia Magda, que tem um dente de ouro, uma fala que mete medo e só gosta de estrelícias e antúrios. Mas pelo menos a recordação da Avó Lídia e a amizade de Rita ela não quer dividir com mais ninguém. Será que Rosa vai continuar a ser «uma intrusa»?



Três Contos de Andersen
ANDERSEN HANS CHRISTIAN

Três contos famosos de Hans Christian Andersen: O Rouxinol, A Princesa e a Ervilha e Sapatos Vermelhos  que são de leitura obrigatória. Por isso, estes contos fazem parte das Metas Curriculares de Português para o Ensino Básico e são recomendados pelo Plano Nacional de Leitura.





Coraline e a Porta Secreta
Neil Gaiman
Na nova casa de Coraline Jones existem vinte e uma janelas e catorze portas. Treze estão abertas mas há uma que está sempre fechada. E é precisamente essa porta misteriosa que desperta uma curiosidade inquietante em Coraline, levando-a a descobrir uma passagem secreta para uma casa aparentemente igual à sua. Mas depressa se apercebe de que algo de estranho se passa. Incrédula, Coraline assiste a um cenário invulgar: anjos que flutuam, livros com imagens que se contorcem, crânios de pequenos dinossauros que tiritam os dentes quando ela passa, cães e gatos que falam, brinquedos animados e os seus próprios pais que a acolhem neste novo mundo. Mas como podem os seus pais ter botões pretos no lugar de olhos? E por que motivo querem estes novos pais aprisionar os antigos num espelho existente no corredor? Será que ela está simplesmente a sonhar ou na verdade já não pertence ao mundo real? Um livro que alia qualidade estética à qualidade literária e que resulta numa poderosa e mágica ficção, sem limites entre a realidade e a fantasia.

A Estranha Vida de Nobody Owens
Neil Gaiman
Nobody Owens podia ser um rapaz perfeitamente normal não fosse o facto de viver num cemitério e ter como família adoptiva uma série de fantasmas, almas penadas e outras entidades semelhantes que o educam e cuidam dele. Owens não se pode gabar de nunca se ter metido em sarilhos, mas é para além das grades do cemitério que residem os verdadeiros perigos, pois é aí que vive Jack - o homem que nunca desistiu de procurar Owens desde aquela sinistra noite em que matou toda a sua família… Suspense, humor e magia num livro encantador destinado a tornar-se uma obra de culto da ficção juvenil.


O Vampiro Secreto
L.J. Smith
O Mundo da Noite não é um lugar. Existe à nossa volta. Os seres do Mundo da Noite são belos, implacáveis e irresistíveis para os humanos. O seu melhor amigo pode ser um deles, assim como o seu apaixonado. As leis do Mundo da Noite são muito claras: os humanos nunca devem saber da existência do Mundo da Noite; e os que pertencem ao Mundo da Noite nunca devem apaixonar-se por um humano. Violar as leis tem consequências aterradoras.
Estas histórias mostram o que acontece quando essas leis são violadas. Quando Poppy é diagnosticada com um cancro no pancreas em estado terminal fica devastada. James o seu melhor amigo (e amor secreto) inconformado com a perda iminente da amiga revela que pode oferecer-lhe a vida eterna… como vampira! Poppy é forçada a escolher entre morrer ou tornar-se um vampiro. Mas que implicações terá a opção de James ao violar as leis do Mundo da Noite.


Leviatã (Leviathan #1)
Scott Westerfeld, Keith Thompson (Illustrator), Raquel Dutra Lopes (Translator)

É o início da I Guerra Mundial, mas num mundo alternativo de que nunca ouviste falar. Os Germânicos lutam com máquinas de ferro a vapor carregadas de armas. Os Britânicos lutam com bestas darwinistas resultantes do cruzamento de vários animais. Alek é um príncipe germânico em fuga. A única máquina de guerra que possui é um Marchador, com uma tripulação que lhe é leal. Deryn é do povo, uma britânica disfarçada de rapaz que se alista para lutar pela sua causa - enquanto tem de proteger o seu segredo a todo o custo. No decorrer da guerra, os caminhos de Alek e Deryn acabam por se cruzar a bordo do Leviatã, uma baleia-dirigível e o animal mais imponente das forças britânicas. São inimigos com tudo a perder, mas na verdade estão destinados a viver juntos uma aventura que vai mudar a vida de ambos para sempre.


Momo
Michael Ende
The sinister men in grey have arrived and are silently taking over the city. They are drawing life-blood from the unsuspecting inhabitants. They are the time-thieves.
It is Momo, the ragged little waif, who discovers what is happening. And it is Momo, with her uncanny ability to listen, her simplicity and honesty, who holds the key to salvation. She is the only one who can resist these soulless, corrupt creatures.
In this intricate and compelling story of a fantastic country, Momo sets out to destroy the enemy. The mysterious Professor Hora and his strangely gifted tortoise, Cassiopeia, will help her.


Ghostgirl
Tonya Hurley
Às vezes o liceu é mesmo uma questão de vida ou morte. Charlotte Usher sente-se praticamente invisível na escola, até que um dia fica mesmo. Pior ainda: está morta! E tudo por causa de um ursinho de goma. Contudo a morte de Charlotte não a impede de seguir o seu plano, muito pelo contrário, sente-se muito mais criativa e fará qualquer coisa para conseguir o seu objectivo: ser popular para seduzir o rapaz que ama ! www.ghostgirl.com
Neste romance satírico mas sentido, Tonya Hurley explora a invisibilidade que todos nós, por vezes, sentimos e até onde vamos para sermos vistos.


The robe of skulls
Vivian French
High above the mountain village of Fracture, trouble is brewing. The sorceress Lady Lamorna wants a skull-studded gown of deep black velvet, but her treasure chest is empty of gold. That doesn’t stop her, however, from kidnapping, blackmailing, and using more than a little magic to get what she needs. Will her plans be foiled by the heroic Gracie Gillypot, two chatty bats, a gallant (if scruffy) prince, the wickedest stepsister ever, a troll with a grudge, and some very ancient crones?




Claro que vem aí uma surpresa para a criançada em breve! (‐^▽^‐) Curiosos?