Tuesday, 12 March 2013

Zombies, Maria Madalena e surpresa!

Death has come up into our windows
The Zombie bible #1
Stant Litore
Editora: Dante's Heart

Um livro que me deixou um pouco desgostosa, talvez por ter duas palavras fundamentais para se tornar num dos meus livros favoritos: Zombie e Bible! O livro é pequeno e aborrecido, talvez devido à falta de estrutura e de objectivo por parte da personagem principal. As últimas páginas dão um tom completamente diferente do aborrecido e fazem-me pensar que se calhar o segundo e terceiro estarão mais desenvolvidos com acção. Tem uma cena muito boa com o Deus Chemosh, mas de resto é um início de série morno.

A crítica em inglês: https://madwomaninattic.wordpress.com/2013/03/04/zombie-bible-i/



Daughter of Jerusalem
Joan Wolf
Editora: Worthy Publishing
(a ser editado em Abril de 2013)

Uma história alternativa da vida de Maria Madalena, desde a sua infância até à morte de Jesus. Embora as primeiras páginas fossem desanimadoras, devido ao carácter Mary Sue de Maria Madalena, com o desenrolar da história e das constantes mini-tragédias que formam o seu carácter, o livro acaba por ser uma boa leitura, mesmo para quem não é muito ligado a religião. Tem um ritmo bastante veloz, mas o mais curioso no livro é a mudança de Maria Madalena do canon para a adaptação de Joan Wolf. Uma mulher que está longe da imagem de prostituta, mas ainda assim uma mulher que erra, sofre com os erros e com as escolhas que faz e que se arrepende.

A crítica em inglês: https://madwomaninattic.wordpress.com/2013/03/08/daughter-of-jerusalem/


Prophecy
The League of Illusion #2
Vivi Anna
Editora: Carina Press
(editado a 4 de Março de 2013)
A crítica em inglês: https://madwomaninattic.wordpress.com/2013/03/12/the-league-of-illusion/

Depois da desilusão do primeiro, let us rejoice, brothers and sisters! Este segundo livro é bem melhor que o anterior, dando a ideia que Vivi Anna já se habituou à noção de Steampunk. Nota-se uma maior envolvência dos elementos do steam com a acção.Ainda falta desenvolver o worldbuild, contudo esse nunca foi o forte de Vivi Anna, confesso. Continuo leal à promessa de ler tudo da mulher (sendo um guilty pleasure), e tenho de admitir que é das poucas autoras que consegue transformar uma cena de um beijo em algo completamente romântico e que me mete as bochechas a ferver. As personagens têm pouco espaço de manobra, sendo que Rhys já conhecemos e sabemos que é teimoso e sério e Corina conseguimos simpatizar com ela por causa do espírito da sua mãe, que muitas vezes mete-se ao barulho. A química entre o casal é boa e há sempre a noção que precisam um do outro para que haja sucesso.
A única coisa que eliminava era os elfos que me pareceram deslocados e sem sentido num livro de steampunk (embora haja elfpunk, neste caso acho que não havia necessidade).
Foi um bom livro de passagem para o terceiro e talvez último livro da série, já que o primeiro termina com o falhanço e este com o sucesso da quest dos nossos heróis.

No comments:

Post a Comment