Sunday, 3 June 2012

Look mom, no guys!

Amor entre mulheres
Catherine de Vasconcelos
Chiado Editora
Páginas: 92

Deixem-me vos dizer uma coisa: esta capa é medonha! Nem sei se é a imagem mesmo ou o facto de alguém ter pegado no Microsoft Office Picture Management e ter ligado o turbo vermelho, mas ainda assim uma coisa destas não se faz. Se o livro tivesse se facto muitas cenas de erotismo, a capa ainda explicava qualquer coisa. Assim, só faz com que queira pegar numa faca e espetá-la num olho!

Passando para a crítica propriamente o livro, que presumo seja o primeiro da autora, tem um grande potencial. A personagem vê-se em maus lençóis (pwnd intended) e esta história poderia ser uma história verdadeira. Uma rapariga que sonha em ser grande, rica e que devido aos ensinamentos mais tradicionais não consegue "think outside the box". Um aspecto bom do livro é que não dá para ser considerado porno de má qualidade visto nem ter passagens indecentes (acho que o mais indecente é mesmo a capa), tem algumas partes para demonstrar afectos, mas pouco. O que leva a um problema. Se a autora decidiu não arriscar em algo mais complicado, o pacing tornou-se rápido de mais, se houvesse castigo para a regra do "Show don't tell", acho que este livro levava pena capital! Contudo após ler livro atrás de livro onde isto sucede, I just don't give a fuck anymore. Estou a ver que muitas primeiras obras em português têm este erro. Já o apontei e agora vou dar a solução (oh para mim que linda):

  • Mostrar mais clientes e peripécias da Maria. A sua rotina no café, a sua rotina com o Miguel;
  • Arriscar nas cenas mais quentes;
  • Mostrar como a relação de Maria e Beatriz evoluiu ao longo dos tempos. O que fez com que de facto se apaixonassem?
  • Dar uma maior carga psicológica ao romance.

Isto dava para mais umas 90 páginas e aí sim tínhamos algo digno de umas 3 estrelas sólidas. O problema é que de facto não resisto a happy endings com lésbicas. Se fosse com heteros provavelmente até encolhia os ombros. Agora depois do que a Maria passou aquele fim foi digno. Julgo que a autora só quis contar uma história simples e nisso conseguiu suceder bem.

Se não gostam de romance lésbico, nem se aproximem deste livro, se gostam preparem-se para falhas a nível de uma primeira obra que não teve muitos beta-readers. Mas sendo publicada onde foi, não posso esperar mais. Lamento aos que queriam sangue, mas sendo a Chiado quase uma POD e não uma editora, já temos sorte de o livro não vir com imensas gralhas e erros.

Excerto:

"Numa noite quente de Verão Beatriz dormiu em casa de Maria. Depois de um longo serão repleto de televisão e pipocas deitaram-se. Lado a lado os seus corpos envolvidos em suor imploravam uma brisa fresca, no entanto, não se distanciavam. Beatriz vestia uma singela camisa de algodão, de alças finas, que deixava transparecer a zona do peito devido às sucessivas lavagens. Por seu lado, Maria vestia apenas uma t-shirt comprida. Desconheciam o motivo de tal proximidade. Após uns breves minutos de conversa emudeceram, entreolharam-se e Maria suspirou. Subiu-lhes ao rosto a vermelhidão do pudor. Era possível escutar o bater acelerado de dois corações, unidos por um desejo de aproximação não compreendido. O amanhecer despertou a vergonha. Não pronunciaram uma palavra sobre o acontecido. A tentativa desesperada de retroceder no tempo distanciou-as, distância que se manteve até ao aniversário de Maria."

3 comments:

  1. Ahahah o que eu me ri. Sim muito linda em fazer criticas construtivas e a salientar coisinhas boas e más.

    Bem, concluindo, nao me vou aproximar deste livro porque nao sou muito deste genero de leituras. Mas... fiquei curiosa de qualquer forma

    ReplyDelete
  2. Fiquei curiosa e até sou capaz de ler... ^.^

    o que é POD? já sei que a Chiado é isso, mas significa o quê?

    Ao contrário de ti, gostei imenso da capa.

    ReplyDelete
  3. Concordo, a capa é horrível. Pensei que se tratasse de terror ou crime... não tem nada a ver, portanto.

    Quanto à crítica, o que eu me ri com ela! Adorei!
    E já aprendi o que é POD eheh!

    (Ivonne)

    ReplyDelete