Friday, 20 January 2012

O fim chega numa manhã de nevoeiro

Encontro-me neste momento a meio do livro e uma coisa que salta à vista é: mas calma isto é mesmo fantasia urbana? Bem eu já li alguns livros de fantasia urbana, nomeadamente Kitty and the midnight hour e a primeira duvida foi o autor sabe o que é fantasia urbana? Ou isto nem sequer é fantasia urbana e as pessoas começaram a catalogar o livro só porque sim? Se for, o worldbuild é inexistente. De facto é maravilhoso conseguir escrever um livro onde nem uma rua é descrita e nem sabemos nada de Lisboa (ano? a Lisboa onde se passa a acção é diferente da Lisboa actual?) e por fim D. Sebastião... srsly? Again? O gajo foi good for nothing e insistimos em reviver a criatura? Se isto for de facto fantasia urbana it kinda sucks.

5 comments:

  1. Já me estás a deixar triste. Eu que tinha tantas esperanças que fosse a pedrada no proverbial charco...

    Btw: Sebstião? É mesmo assim que aparece grafado?

    ReplyDelete
  2. Foi typo, também tinha fabtasia XD Depois é que vi, mas estava com tanto sono, estava em casa de uns amigos a jantar e adormeci no sofá. Estou velha para estas coisas...

    ReplyDelete
  3. Comecei a ler e não concordo com algumas coisas que escreveste. Primeiro a tal descrição do Mendes (sim, sei que isso escreveste noutro sítio, but bear with me on this one). Epá, basta olhar para a capa. Segundo a localização temporal. Isso vem logo na página 14 quando ele descreve o que está a dar no noticiário. Por vezes é-se demasiado subtil...

    ReplyDelete
  4. Oh T, eu agora lanço um livro com a personagem da capa e que fixe escuso de descrevê-la -.-" Eu gostava de coisas mínimas! Estou a poucas páginas de acabar e a coisa lá melhorou, mas não dou mais que 2 estrelas. Outra coisa cada vez que o homem é atacado na cabeça ou acaba no chão vou beber um shot! :p

    ReplyDelete
  5. Ontem quando comecei a ler apercebi-me que conhecia aquelas personagens dalgum lado. Uma visita ao site do autor e voilà! São dum conto que apareceu na Bang! Talvez por isso se explique a falta de caracterização. Que de resto em primeira pessoa não costuma existir. :D

    ReplyDelete