Saturday, 22 October 2011

Se colocarmos uma mulher bonita na capa, ninguém irá suspeitar do interior

Um homem imoral
Emma Wildes
Editora: Planeta
Páginas: 336

A Quinta Essência tem sido a principal divulgadora em Portugal dos romances eróticos/ românticos light, contudo a Planeta tem vindo a aumentar o ritmo no que toca a fantasia e romance. Emma Wildes apresenta o primeiro livro da série Notorious Bachelors, que nada de novo vem acrescentar aos milhares de livros nas estantes dos leitores de Jess Michaels, Lisa Kleypas e Johanna Lindsey. A prosa de Wildes é eficiente o suficiente para prender mais ou menos o leitor, quando apresentada uma história que já foi tentada milhentas vezes. Amelia é um mulher inocente, Alex é um homem com vários escândalos no seu historial. Só aqui a dicotomia inocência e escândalo leva o leitor a pensar que já sabe o que vai acontecer durante o livro. Embora Amelia não seja desmiolada (gosta de ler livros, sabe grego e latim e gosta de andar a cavalo – o que pelos vistos é melhor que nada), nem Alex seja o homem completamente imoral (a autora não chega a revelar os escândalos e preocupa-se mais em tornar Alex uma personagem digna e integra para Amelia). Pois é, nothing new, my beloved friends. Então o que leva “Um homem imoral” a ser lido? A side-plot – um escândalo entre os avós de Amelia e Alex que está muito bem construído e escrito com um ritmo bom. Nesta side-plot não há certezas e o fim surpreende até o mais experiente leitor nestas andanças.

Infelizmente é preciso ter um faro superior para com estes livros, as sinopses enganam, iludem, o preço pode ser alto demais para a resultado final e é preciso deixar de meter paninhos quentes. Felizmente a Planeta decidiu criar uma linha de livros de bolso e brevemente deverão publicar este número com um formato bem mais económico. Como leitora preocupa-me que tantas mulheres fora de Portugal escrevam sobre a mesma treta over and over again, sem inovar um bocadinho e no fim acabe por ser apenas mais um. É complicado ler vários tipos de livros como este e chegar ao fim sem conseguir escrever uma review competente. Não há simbologia escondida, personagens interessantes (sem tirar Anna Hathaway) ou temas para analisar. Creio que podíamos colocar “Um homem imoral” na secção de livros de verão.

Saturday, 15 October 2011

Actualizações nas leituras

Já chegou a casa, como prenda de anos, "The Steampunk Bible" e já me babei com as ilustrações e fotografias. Ainda tenho para ler "As mil e uma léguas submarinas" de Verne e o "Steamed" para entender o verdadeiro conceito por detrás desta cultura. Como já li 90 livros até à data e estou cada vez mais próxima de atingir o meu objectivo de 100, durante Novembro vou só actualizar o mad woman in the attic sobre a experiência do Nanowrimo, uma espécie de diário de bordo com todas as frustrações, rasgos de genialidade inexistentes e acessos de loucura. Para já (e para me obrigar a ler um calhamaço) comecei em conjunto com outras pessoas a ler "Of human bondage" (que deve ser o título mais genial de sempre para um livro). Até lá ando em sucessivas pesquisas sobre ficção científica, steampunk, gender studies e ficção erótica. De vez em quando lá mando um posta de pescada sobre livros que li, mas os posts começam a ser raros (falta duas críticas de ALA e Philip K. Dick).

Wednesday, 12 October 2011

Quickies 2nd round




Agora que o estágio na Escola Secundária Aurélia de Sousa começou tenho ido observar quase todos os dias as aulas, feito os "t.p.c" como uma aluna aplicada e ainda sobra tempo para ler os livrinhos e continuar a Nanozine. Sobra um pequeno problema: tempo para escrever as reviews. Eu bem sei que ele não estica, nem cai das árvores, mas queria tanto ter mais tempo para escrever as minhas críticas. Para já posso nomear pelo menos dois livros que adorei e dois que me desiludiram neste mês:

Star de Danielle Steel: uma desilusão completa - começa com uma premissa tão bonita de um amor que podia florescer durante a narrativa, mas acaba por ser desgraça atrás de desgraça, qual telenovela mexicana, apenas para meter as mulheres a chorarem e suspirarem. Já para não falar que as personagens são pavorosas e irrealistas (sim porque uma mulher que casa porque supostamente o homem é um "good match" e um homem que casa com uma rapariga porque "não consegue dizer não")... bem enfim you get my drill, it sucks. Admitam já tinham saudades do meu mau humor;

His Sister's Kiss de Kate Hill: eu bem que ando em busca de um romance erótico light sem cenas previsíveis ou personagens, cujo cérebro foi comido por um zombie. Este peca mesmo pelo primeiro aspecto. Gaja meets gajo = atracção física, que leva a sexo, que leva a casamento. Uau... a sério esta gente ganha dinheiro com isto? Tenho de começar a escrever mais se isto vende que nem "moletes". Um livro tem desgraças a mais, este tem felicidade a mais. Vou só vomitar arco-íris e já volto.

Dois livros que foram uma surpresa boa:
Enchanted: erotic bedtime stories for women de Nancy Madore: apesar da review ser publicada na Nanozine deste mês. Com twists engraçados e fins alternativos ao tradicional é uma lufada de ar fresco em toda a prosa erótica de segunda.

"Till we meet again de Judith Kranz: Um livro enorme, mas que marcou pelas personagens atrevidas e pela história com um fio condutor genial. As folhas passam pelos dedos as personagens evoluem e o mundo não é preto e branco, mas amarelo com bolinhas vermelhas. Agradou-me especialmente o facto das personagens femininas serem de facto independentes e não apenas "vendidas" como tal. Há que ter fé nesta gente.

A imagem corresponde ao e-reader que comprei na Pixmania para os meus anos (sim no meio do stress todo há tempo para esbanjar dinheiro), fica para breve mais um testemunho marcante de uma utilizadora de e-readers