Saturday, 10 September 2011

Threesome is fun


Orbias: As guerreiras da Deusa
Fábio Ventura
Editora: Casa das Letras
Páginas: 396

Se tivesse lido este livro quando tinha 14 anos, via Sailor Moon e jogava Final Fantasy (na golden age do Sakaguchi) tinha adorado o livro. Com quase 23 anos fica o sentimento de nostalgia desse tempo onde eu tentava escrever em inglês também sobre Deusas. Como já tinha lido o segundo volume (graças ao blog Bela Lugosi is Dead), estava à espera da oportunidade de ler o primeiro volume para saber se as críticas eram justas. Como o meu querido irmão teve a felicidade de comprar o livro primeiro que eu, decidi roubar-lho e ler num instante como tudo começou em Orbias. Existem problemas que já sublinhei noutras críticas sobre a narrativa do Fábio Ventura, contudo o principal problema (pessoalmente) é o product placement: o carro Mazda, as sapatilhas All Stars etc e algumas expressões que os jovens usam e que são mesmo más. Para alguém que já é adulta tudo isto soa a falso, para alguém que é adolescente duvido que ache o livro mau.

Outro problema é a idade das personagens. Quando se escreve para adolescentes há sempre a dificuldade de acertar na idade. Se as personagens forem demasiado adultas há a probabilidade de as acharem demasiado maduras, ou então usam a idade do público-alvo (neste caso digamos 14/15 anos) e caem na tentação de tudo parecer falso (ter miúdas de 15 anos a salvarem mundos... yeah right). A falta de maturidade das personagens relaciona-se com o facto de este ser o primeiro livro do autor (que o deve ter escrito mais ou menos com essa idade) e não consegue para já fazer melhor, devido a essa falta de maturidade na escrita. Contudo, e apesar de todos os defeitos que o livro apresenta (falta de maturidade, falta de descrição de sentimentos mais profundos como o amor, as personagens têm lack of depth), existem poucos livros para adolescentes que consigam apelar aos jovens. Lembrem-se que estes já duelam durante as aulas com “clássicos” e em casa querem ler algo que lhes apele, que consigam identificar-se e aí surge o “Orbias” a tentar colmatar esta falha. Ensina aos jovens a serem corajosos, a acreditarem neles mesmos e a nunca confiarem no óbvio. Existe bastante influência dos RPGs e mais uma vez senti que estava a jogar um livro (principalmente na ultima cena que parecia o last boss).

“Orbias: As guerreiras da Deusa” tem tudo o que um primeiro livro tem: falhas, imaturidade, promessa de crescimento e um sabor amargo que grita aos jovens que nem tudo é um mar de rosas com final feliz.

PS: E não é segredo nenhum que eu tenho um fraquinho pela Belladonna, há algo na figura dela que transborda tragédia.



Promise of pleasure
Cheryl Holt
Editora: Berkley
Páginas: 346

Para ser curta e grossa: O primeiro livro publicado este ano é uma coisa asquerosa e horrível. Uma espécie de “Cinderela” onde a personagem principal, Mary não é nada mais do que uma coitadinha que sofre e é ingénua, enquanto o herói é para variar um homem lindo e maravilhoso que se apaixona por ela, mas para salvar a fortuna da família tem de se casar com a irmã imatura de Mary. Como o livro tem provavelmente as piores personagens de sempre (mulheres burras e dependentes e homens com muito sex appeal e poucos escrúpulos), penso que o livro nem vale a pena ser adquirido. One word: NO!


Ligações proibidas
Cheryl Holt
Editora: Quinta Essência
Páginas: 384

Já “Ligações proibidas” cujo original curiosamente foi publicado em 2001 (enquanto o anterior foi publicado em 2010) apresenta personagens bem mais atraentes e uma trama mais interessante e menos rebuscada. Tem um toque de erotismo em cada página e as personagens são mais agradáveis. Contudo deixem que exprima um pensamento: porque raios é que a mulher e o homem nestas histórias ama-se, têm sexo que nem ninfos e depois quando chega a hora de assumirem um compromisso: “ai eu não sou digna da tua classe social!”... filha acabaste de permitir que ele retirasse a virgindade e não queres casar com ele? Porque é que as autoras sentem tanta necessidade de complicar a vida onde as coisas sãos fáceis e pior, porquê meter as personagens burrinhas de um momento para o outro para render mais 100 páginas de tortura? Quem gostar de romances eróticos light esta pode ser uma boa aquisição, até porque a capa é lindíssima e deve ficar bastante bem ao lado da Sheri Whitefeather e da Jess Michaels ambas também publicadas pela Quinta Essência.

3 comments:

  1. Só li o Orbias, mas concordo com a tua opinião achei a linguagem bastante juvenil e a personagem principal um tanto ou quanto irritante... Ouvi dizer que o seguinte volume era melhor, mas confesso que nunca mais peguei na trilogia, até porque li este emprestado...

    ReplyDelete
  2. Ahahah o que eu me ri. Bem, de facto foste curta e grossa sem duvida =P

    Todas as capas da QE sao lidas, mas se fosse por ai mais valia tornar me socia da editora eheh.

    Com que entao es tu a Adeselna! e conheces o Cocas e a Mar.

    ReplyDelete
  3. Eu ando a dar com a cabeça nas paredes para conseguir ler a Cheryl... Deus meu, é só cama e o pretexto inicial "é para explicar à irmã, que se vai casar", esquece-se ao final de meia dúzia de páginas.

    ReplyDelete