Friday, 31 December 2010

Os melhores livros lidos em 2010

Chegamos mesmo ao fim do ano, no total li 61 livros - muitos em inglês e alguns em português (salve-se o alemão em raras excepções) por isso neste top 10 muitos livros bons foram deixados de lado.

#10 The Observations - Jane Harris (2009)
- Pela surpresa que foi descobrir esta nova autora;
- Por ser um livro com temas feministas bons;
- Pelo humor usado e excelente prosa;
(traduzido para português como "Observações" pela editora Presença)

#9 Wildwood dancing- Juliet Marillier (2007)
- Pela maravilhosa forma como Marillier usa a comunicação não-verbal;
- Pela forma original com que a figura dos vampiros foi usada;
(traduzido para português como "Danças na Floresta" pela Bertrand Editora)

#8 The left hand of darkness - Ursula Le Guin (1969)
- Pela grande coragem na desconstrução do "gender";
- Por abordar temas controversos de forma inteligente;
(traduzido para português como "A mão esquerda das trevas" pela editora Presença)

#7 Wide Sargasso Sea - Jean Rhys (1966)
- Pela personagem Antoinette (muito mais que uma personagem);
- Pelos temas feministas e não só (identidade, racismo);
(traduzido para português como "Vasto mar de Sargassos" pela Bertrand Editora)

#6 Memorial do Convento - José Saramago (1982)
- Por mostrar que o povo sempre foi "quem mais ordena";
- Por trazer para Portugal - não só com este livro - um grande orgulho para a literatura portuguesa
(publicado pela Caminho)

#5 Mists of Avalon - Marion Zimmer Bradley (1979)
- Pela audácia de publicar nos anos 70/80 uma das melhores sagas;
- Pelas críticas feitas à Igreja e às mulheres submissas;
- Pelas posições tomadas pela personagem Morgaine face a temas como o destino e o aborto;
(traduzido para português como "As brumas de Avalon" pela editora DIFEL)

#4 A máquina de fazer espanhóis - valter hugo mãe (2010)
- Por criar uma terceira idade maravilhosa e real;
(publicado pela Objectiva)

#3 Der Vorleser - Bernhard Schlink (1995)
- Devido ao tema da culpa e do holocausto;
- Por ser um romance tão polivalente;
- Por ser uma obra intemporal;
(traduzido para português como "O leitor" pelas ediçoes ASA)

#2 The Bloody Chamber - Angela Carter (1979)
- Por ser uma inspiração a nível feminista para tantas escritoras;
- Por encerrar na sua obra décadas de luta das mulheres;
(não está traduzido para português)

#1 Avalon - Anya Seton (1965)
- Por combinar um romance viking com a Idade Média;
- Por ser uma das melhores escritoras de romance histórico e ainda não ter uma única edição em português (tinha de vir a facada);
(não está traduzido para português)

Menção honrosa: Februarreise an den Tejo de Egyd Gstättner
(traduzido para português como "Viagem ao Tejo com Pessoa na Bagagem" pela editora Granito)

Um bom 2011 para todos e boas leituras

2 comments:

  1. Acho que a Anya Seton tem um livro publicado em português, penso que o Dragonwyck se não estou em erro. É uma edição antiga, mas já me cruzei com o título em pesquisas nas BLX.

    ReplyDelete
  2. Essa edição é de 1955, eu queria algo mais recente e fresco (apesar de saber que a edição iria custar os olhos da cara - de 7€ iria passar para 19€ porque a capa ia ser XPTO, a edição toda "cuidada" bla bla bla as tretas que as editoras mandam para os portugueses calarem-se com o preço dos livros)

    O problema é que essa edição encontras e dizes muito bem na BLX... quantas pessoas acedem à BLX e quantas pessoas vão à FNAC ou à Bertrand?

    Existem muitos livros em português de traduções que muita gente nem sonha que existe porque lá está é preciso quase procurá-los de propósito. A Philippa Gregory fez o prefácio do Avalon, mas enquanto os livros da Gregory estão em todo o lado, o da Seton estão esquecidos.

    ReplyDelete