Sunday, 1 August 2010

Beowulf & Shakespeare

Beowulf
Anónimo
Tradução do Old English: Charles W. Kennedy
Género: Poema épico
Páginas: 121 (poema só tem 99 páginas)
Editora: Oxford University Press



(classificação em comparação aos Nibelungos)

Todos conhecem a história do Beowulf, tal como “Das Nibelungenlied” é quase impossível não saber da história de Siegfried e Kriemhilt ou de Beowulf e Grendel, nem que seja devido às recentes adaptações para o cinema. No entanto das pessoas que conhecem as lendas apenas 5% devem ter lido estes dois poemas épicos, à custa de uma licenciatura em Literatura Inglesa. Ao contrário do poema medieval alemão “Nibelungenlied”, que conta a história do declínio de um povo inteiro, “Beowulf” conta apenas a história deste herói oriundo de Geats (Suécia) que viaja até à Dinamarca para ajudar o rei Hrothgar a matar o monstro Grendel, mais tarde consegue também destruir a sua mãe, descrita como uma troll, embora sem nome próprio. Estudos recentes apontam para que talvez a mãe de Grendel, signifique uma valquíria ou uma mulher guerreira.

O poema é marcado pelas sucessivas batalhas que Beowulf terá de superar: Grendel, mãe de Grendel e por fim um dragão e pelos funerais que se seguem. Ao longo do poema valores e comportamentos sociais manifestamente alemães, como lealdade, moral e honra. Quase no fim da sua vida, Beowulf depara-se com uma divisão moral para com o seu comportamento: deverá ele lutar contra o dragão e arriscar a sua coroa, sem herdeiro directo ou deverá, como bom rei esperar por um outro herói para cumprir essa função? A resposta reside na memória. Se Beowulf ficar quieto, o seu nome poderá arriscar a ser apagado das lendas, por outro lado se arriscar e morrer, essa morte deverá ser lamentada e cantada, entranhando-se na memória da Humanidade e não deixar que a morte do rei seja em vão.

Um poema épico maravilhoso, mas que se compararmos com “Das Nibelungenlied” fica a perder.
Não existe tradução para português (de Portugal). Tenho quase a certeza que existe em Brasileiro, tal como os Nibelungos, cuja única tradução para português, é Português do Brasil.




The Tempest
William Shakespeare
Género: Drama/ Comédia
Páginas: 126 (das quais 98 são a peça em si)
Editora: Wordsworth Classics



Uma peça tardia de Shakespeare que aborda temas como colonialismo, escravatura, onde não se dá tanta atenção à fantasia e ao papel das mulheres. Prospero, duque de Milão foi alvo de traição por parte do seu irmão, levado para uma ilha com a sua filha pequena. Passados anos Prospero consegue com a ajuda de Ariel, um espírito assexuado criar um naufrágio para os causadores do seu infortúnio ficarem loucos naquela ilha. Uma peça longe da perfeição e uma das mais fraquitas a nível de diálogos, mesmo assim ainda tem força suficiente para andar das pernas. Desde as falhas no sistema jurídico, à clara divisão entre homens e monstros e senhores e servos, Shakespeare consegue com algum humor engrenar uma peça boa de vingança, onde o amor também consegue ocupar espaço.

No comments:

Post a Comment